quinta-feira, 24 de abril de 2008

Queria...

A tristeza apodera-se de mim! Preciso de uma vida. Preciso de um objectivo. Preciso de ser feliz. Que fiz para não o merecer?!
"Todos têm direito à felicidade!"...não me parece que seja assim.
Preciso sentir que existo e não de pensar "porque acordei?!" todas as manhãs!
Queria ser como o Sol que ilumina todas as vidas...
Queria ser como a Lua que toca no mar carinhosamente...
Queria ser como o Mar que acolhe, feliz, o brilho que a Lua lhe oferece...
Um dia desisto de tudo e parto. Sigo por caminho desconhecido para parte incerta. Parto para não mais voltar. Não levo nada comigo e ando. Ando, sempre em frente, até lhe chegar...até chegar à felicidade.
Ando e, quando estou perto, estico o braço e tento tocar-lhe mas ela foge e não me deixa conquistá-la.
Ás vezes preciso estar sózinha e passeio pela rua observando o mundo que me rodeia... Outras vezes sinto-me sózinha mesmo que esteja rodeada de pessoas...
Não entendo quando estou bem ou mal...
Sinto-me a desaparecer a pouco e pouco.
Não sei quanto tempo mais aguentarei...

quarta-feira, 16 de abril de 2008

Voos "espEciais"

Gostava de me tornar astronauta, um dia.
Sinto, no fundo mais profundo de mim, que existe um lugar no Espaço que me espera. Um lugar que não se vê quando se observa o céu. Um lugar que só se encontra fora da Terra e de todos os seus conflitos e preconceitos.
Queria entrar num foguetão e subir em direcção à lua. Assim viveria no Espaço, explorando-o e observando-o.
Deixaria na Terra os meus problemas e as minhas angústias, pois, às vezes, torna-se mais fácil fugir aos problemas do que tentar resolvê-los, e ficaria a observar de longe.
Assistiria ao nascimento das estrelas e relembraria o meu próprio nascimento.
Compreenderia a vida das estrelas e sonharia com a minha própria vida.
Veria a morte das estrelas e ambicionaria que a minha fosse idêntica. Faria parte do Universo, das suas constantes mudanças e do imenso desconhecido que é.
Viveria para além do tempo e do espaço, para além das tristezas e das dívidas, para além das incertezas e das dúvidas…
Não sei porque estou aqui, mas sei que adorava estar noutro lugar. Um lugar onde, pelo menos, nenhum problema me afectasse ou, simplesmente, nenhum problema existisse.
Preferia morar nesse lugar, para além do horizonte, onde ninguém me descobrisse nem me conseguisse ver, do que aqui, onde todos me vêem e sabem onde me dirijo
quando me apetece estar só!