quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Chuva...

Os dias passam. As horas avançam no relógio dependurado na parede desprovida de sentimentos.
A solidão perdura. Permanece imóvel, ininterrupta, indestrutível. O mundo envolvente transforma-se, pouco a pouco, num espaço demasiado grande.
Caminho através das ruelas, pressentindo-as escurecidas. Caminho lentamente, sob grossas e geladas gotas de água que se despenham, vindas das nuvens que preenchem o céu com cor de cinza, como nódoas.
Procuro em cada recanto. Procuro o timbre de uma voz não incógnita, o som de uma gargalhada já antes ouvida. Procuro uma mão conhecida, estendida na minha direção, a fim de ajudar-me a levantar quando escorrego no frágil espelho de água que os contínuos farrapos de chuva foram formando no solo do meu trajeto. Nada descubro, nada vem ao meu encontro.
Levanto-me, a custo, e caminho de novo, mantendo a cabeça baixa e os olhos pregados nos brancos paralelepípedos da calçada.  

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

My guardian angel...


Estás longe, sim. Mas, ao mesmo tempo, eu sinto-te aqui: perto!
Apoias-me, dás-me força, acalmas-me. És o meu anjo. Aconchegas-me nas tuas asas e levas-me a voar por entre rios de ternura, vales de sorrisos e montanhas de carinho.
És muito querido... Sim, é o que eu penso! E agradeço-te por tudo o que me dás sem me pedires nada em troca. Sabes que me tens sempre para ti quando quiseres, quando precisares.
E eu, tenho-te? É que eu não saberei viver sem te ter. Quero-te comigo... Mais do que eu te sei dizer!
Tratas-me sempre bem, mesmo quando estou com os meus pensamentos parvos. Aturas-me em cada sorriso que manifesto, em cada lágrima que deixo cair, em cada dia que segue uma noite em que não dormi.
Gosto da forma como dizes que minto quando digo que te odeio. Gosto do teu jeito que me faz considerar-te mais do que perfeito. Gosto de ti. De todas as formas, com todas as minhas forças, com toda a minha energia. Por seres como és, por dizeres as coisas que dizes e, principalmente, por estares disponível quando preciso. Porque quando quero um abraço, tu dizes que me dás. E eu sinto-me realmente abraçada, reconfortada e confortável, apesar de estares, fisicamente, longe.
Se me perguntarem se te conheço bem, a minha resposta será: "Não, mas conheço o melhor que tem em si". E estarei a ser sincera porque acho que, o que conheço, é uma das melhores partes de ti que tens para dar ao mundo. Agradeço por me teres permitido chegar a ti. Agradeço-te pela amizade... Agradeço-te pelos últimos meses, que tiveram uma harmonia um pouco diferente da habitual (graças a ti).
Obrigado por tudo. Gosto de ti!

@            J           @

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Palavras que nunca pensei dizer...


Tenho saudades de ti.
Tenho saudades das nossas conversas sem pés nem cabeça. Saudades dos nossos passeios, da nossa vida nada parecida, do teu sorriso quando dizes algo engraçado.
Saudades dos teus medos e de como eu cuidava deles, da minha fraqueza e de como tu me apoiavas.
Tenho saudades do teu abraço caloroso. Do calor das tuas mãos na minha face, no meu pescoço, nos meus braços, nas minhas mãos. Saudades dos nossos braços entrelaçados enquanto caminhava-mos.
Tenho saudades da nossa vida tão igual e, simultaneamente, tão desigual. Saudades dos planos que fazíamos, dos nossos sonhos impossíveis. Do que se realizou e do que podia ter-se realizado.
Saudades dos nossos telefonemas rápidos, demorados ou intermináveis.
Tenho saudades de ti ao meu lado, da tua presença. Saudades de tudo o que contámos um ao outro, dos segredos que guardamos. Saudades de quando cantavas... De quando cantavas só para mim.
Tenho saudades de estar contigo simplesmente por estar.
Saudades da tua amizade, da tua força e da tua confiança, da tua voz, das tuas loucuras, da tua inteligência, do teu talento.
Sinto, permanentemente, uma tremenda vontade de chorar...
Tenho saudades de ti!
@          V          @

sábado, 10 de outubro de 2009

* BBF Forever *


Today I found a friend,
Who knew everything I felt.
She knew every weakness,
And the problems I've been dealt.

She understood my wonders,
And listened to my dreams.
She listened to how I felt about life and love,
And knew that it all means.

Not once did she interrupt me,
Or tell me I was wrong.
She understood what I was going throught,
And promised she'd stay long.

I reached out to this friend
To show her that I care
To pull her close and let her know
How much I need her there.

@               S       BF               @

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Sim...


" Sim, às vezes tu sorrias,

E os sorrisos o que são?

Quase sempre profecias

Das penas do coração."

"Uma recordação", Júlio Dinis

sábado, 3 de outubro de 2009

Atitudes...

Diante das atitudes alheias, eu escolho dar sempre o meu melhor, ainda que algumas vezes o que retorna a mim não é, igualmente, o melhor dos outros. O amor, aquele que sentimos pelos amigos, é uma construção e uma prática..não é algo que cai do céu assim que estalamos os dedos.
É preciso querer, é preciso estar disposto a fazer acontecer, é preciso acreditar que algumas pessoas poderão mudar a partir disso. É preciso acreditar que a mudança existirá com a nossa ajuda, a nossa interferência, as nossas atitudes, aquele nosso simples sorriso, aquele nosso abraço, aquela calma que mantemos em situações de desequilíbrio...
Se eu erro? Sim, e muito!
Sou humana e tenho sentimentos como qualquer ser, mas uso isso, aprendo com isso e tento mudar o que é preciso ser mudado.
Há palavras e atitudes que nos magoam muito mais que uma estalada...

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Espera um minuto...


Espera um minuto,
Quero inteirar-me da realidade.
Não sou perfeita,
Tenho sentimentos como os teus.
Caminho.
Vejo-te,
No final de todas as ruas.
Escolho uma e avanço.
Caminho.
Não te alcanço.
Caminhas.
Estendo a mão mas não te toco.
Caminhas.
Numa outra direção.
Não me vês, não me ouves, não me sentes.
Eu sinto-te.
Aqui, ali, em toda a parte.
Eu sinto-te.
Mas não quero sentir-te.
Não assim, não agora.
Não sou perfeita,
Tenho sentimentos que não são os teus.


By Andreia Gomes

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

São vidas...


Luto contra mim,
Envolta num remoinho de sentimentos.
Remoinho? Não!
Talvez ciclone ou furacão!
Sossegadamente surge,
Sem aviso prévio.
Sem pedir permissão, entra
E dança, canta e pula.
Não há quem acompanhe
Este trepidar de emoções.
E volta a doer.
Tal como sempre dói
Repete-se e torna a repetir-se.
A expectativa diminui
E a esperança é nula.
A calma grita exaltada
E a força resume-se a nada.
Baixo a cabeça e olho em frente,
Simultaneamente.
Só preciso que acreditem que sorrio
Quando, na realidade, agonio.


By Andreia Gomes

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Sonho...

"Já é tarde. Dorme. Que tenhas sonhos felizes.Tu foste a única que alguma vez tocou o meu coração. E ele será para sempre teu. Dorme, meu amor."
Começou a cantarolar a minha canção de embalar e percebi que seria uma questão de tempo até sucumbir. Por isso fechei os olhos e aninhei-me no seu peito.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Eclipse...

"Os meus braços fecharam-se em redor do seu pescoço e desejei ser mais forte, pelo menos o suficiente para o conseguir manter prisioneiro do meu abraço. Uma mão deslizou pelas minhas costas, pressionando o meu corpo contra a peito de pedra. Mesmo por baixo da camisola, a pele era tão fria que me arrepiou - um arrepio de prazer, de felicidade. Mas em resposta à minha reacção, a pressão das suas mãos começou a diminuir.
Sabia que me restavam certa de três segundos até ele suspirar e se afastar habilmente de mim, dizendo alguma coisa sobre como já tínhamos arriscado a minha vida o suficiente para uma tarde só. Aproveitando ao máximo os derradeiros instantes, aproximei-me mais dele, moldando-me totalmente à sua forma. A ponta da minha língua contornou o lábio inferior dele; era tão suave e perfeito como se tivesse sido polido e o sabor...
Ele afastou os rostos, desviando o meu abraço com facilidade - provavelmente nem se tinha apercebido que eu recorrera a toda a minha força."

Amizade...

Amizade é uma relação afectiva entre duas pessoas. Em sentido amplo, é um relacionamento humano que envolve o conhecimento mútuo e a afeição, além de lealdade ao ponto do altruísmo. A amizade pode ter como origem, um instinto de sobrevivência da espécie, com a necessidade de proteger e ser protegido por outros seres. Alguns amigos denominam-se "melhores amigos". Os melhores amigos, muitas vezes, conhecem-se melhor que os próprios familiares, funcionando como confidentes. Para atingir esse grau de amizade são depositadas muita confiança e fidelidade.Muitas vezes os interesses dos amigos são parecidos e demonstram um senso de cooperação. Mas também há pessoas que não se interessam pelo mesmo tema, mas gostam de partilhar momentos juntos, pela companhia e amizade do outro, mesmo que a actividade não seja da sua preferência.
A amizade é uma das mais comuns relações interpessoais que a maioria dos seres humanos tem na vida. Em caso de perda da amizade, deve existir a reconciliação e o perdão.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Todas as ruas do amor...

Se sou tinta, tu és tela
Se sou chuva, és aguarela
Se sou sal, és branca areia
Se sou mar, és maré cheia
Se sou céu, és nuvem nele
Se sou estrela, és de encantar
Se sou noite, és luz para ela
Se sou dia, és o luar
Sou a voz do coração
Numa carta aberta ao mundo
Sou o espelho d'emoção
Do teu olhar profundo
Sou um todo num instante
Corpo dado em jeito amante
Sou o tempo que não passa
Quando a saudade me abraça
Beija o mar, o vento e a lua
Sou um sol em neve nua
Em todas as ruas do amor
Serás meu e eu serei tua
Se sou tinta, tu és tela
Se sou chuva, és aguarela
Se sou sal, és branca areia
Se sou mar, és maré cheia
Se sou céu, és nuvem nele
Se sou estrela, és de encantar
Se sou noite, és luz para ela
Se sou dia, és o luar
Beija o mar, o vento e a lua
Sou um sol em neve nua
Em todas as ruas do amor
Serás meu e eu serei tua

domingo, 30 de agosto de 2009

Nos seus braços...

"Nos seus braços era fácil fantasiar que ele me desejava. Não queria pensar nas motivações. Talvez o tempo que passámos separados tivesse sido o suficiente para que não o aborrecesse. Isso não tinha qualquer importância. Sentia.me muito mais feliz a fingir.
Permaneci nos seus braços, em silêncio, fixando novamente o mesmo rosto gravado na memória, fingindo..."

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Momentos de tudo, menos de Verão..

O Verão está a decorrer e eu metida em casa! Que vida tão monótona..nada acontece. E depois há sempre uma saudade profunda. Enfim...
Mas talvez nem tudo esteja perdido. Talvez ainda vá acampar[uhuh!! =D] Já sinto falta daqueles diazinhos passados ao ar livre junto à tenda ou deitada na relva à beira da piscina a ler um bom livro[Hmmm!! Que saudável que é! =P]
Sózinha por entre ecos de risos que não são meus... É assim que, às vezes, me sinto nestes dias tediosos. Mas nestes momentos só tenho que agradecer a algumas pessoas fantásticas que conheço e que, por uma ou outra razão, fazem parte de mim e lhes chamo amigos.
E estas pessoas são:

V @ Aquele que continua a ser o melhor amigo. Apoia-me, puxa por mim.. E, às vezes, zanga-se comigo mas sei que é para o meu bem.

J @ Só estivemos juntos uma vez mas, ao que parece, preocupa-se comigo. Tem sido incansável e atura-me muito mais do que a conta.

V' @ Tem sempre uma palavra amiga para mim. Também atura as minhas neuras (que não são poucas).

S @ Falamos todos os dias. E se um dia uma não diz nada, a outra faz logo um filme sobre o que terá acontecido.

S' @ Já não falamos tão frequentemente como antes mas sei que é alguém com quem posso desabafar de precisar.

M @ Não tem papas na língua quando é para resmungar comigo pelos meus pensamentos parvos ou pelas minhas atitudes erradas.

E pronto, acho que não me esqueci de ninguém...
Obrigado a todos os que não referi porque também eles são importantes.

Bem...espero que o meu Verão melhore um bocadinho!!

terça-feira, 21 de julho de 2009

Além Tejo..


E assim foi mais uma viagem por estradas de Portugal com destino marcado no Alentejo.
Começa-se o dia com uma viagem de carro com paragem em Vendas Novas para o pequeno-almoço que não se teve vontade de comer em casa xD.
É sempre bom rever paisagens tão calmas, amenas, soalheiras...
Passear[embora seja de carro] por longos caminhos ladeados de kms e kms de planalto coberto por frágeis vagens de trigo, pelo verde seco das oliveiras, pelo verde seco das oliveiras, pelo verde-escuro e o alinhamento das vinhas... Tudo isto na companhia da música que vou armazenando de vez em quando no meu MP3[que é da idade da pedra mas funciona =P].

Sabe bem percorrer aqueles campos com o olhar...
Por fim, depois de conversas de adultos, intercaladas com as mais diversas brincadeiras com a minha afilhada[de 5 anos], acaba-se o dia com uma viagem de regresso que tem intervalo em Pegões para sossegar o estômago com uma sopa e uma bifana.
São sempre muito parecidas estas idas à aldeia mas há que aproveitar porque é sempre bom afastar-me[mesmo que seja só por umas horas] da confusão e da poluição da capital[sim porque Lisboa tem o seu encanto, mas cansa xD].
Não sei sobre o que será o próximo tópico mas sei que este fica por aqui que amanhã há mais lol ***

quarta-feira, 15 de julho de 2009

"Saudades dos velhos tempos"

Porque alguém[melhor amigo] se lembrou de escrever um tópico no blog sobre os velhos tempos.
Disse para eu ler e eu li, mas claro, não podia deixar de comentar não é??
LÓGICO!
E pronto, o que me saíu foi isto:


« E eu confesso que, apesar de continuarmos amigos, também tenho saudades. Imensas. Entre estes quatro houve amizades que mudaram radicalmente. E depois é sempre aquela saudade que vai acumulando um bocadinho todos os dias e que umas escassas horas não chegam para a atenuar. Seria preciso muito mais... Muito mais que horas, muito mais que dias... Talvez muito mais que meses...Sei que haverá sempre um elo de ligação entre nós, por mais ténue que seja. Mas sei que haverá.Agora fecho os olhos e, de repente, tudo gira a minha volta. Os momentos, os sorrisos, as palavras, os olhares. Nem em fotos ou filme era possível mostrar ao mundo o que nos uniu, une e unirá pois isso é só nosso. Só nós sabemos a força que tinha. Só nós! Porque fomos nós que o sentimos... E somos nós que o guardamos para sempre no coração.Quantas vezes me apeteceu um "abraço de grupo". Quantas e quantas vezes. É inimaginável a vontade que tenho que estejamos tão próximos como antes. Sei que nada pode ser igual porque todos nós mudámos mas, pelo menos, quero sentir a proximidade que nos acolhia e aconchegava a todos no mesmo colo. Um colo que talvez se chame amizade.Assim fica o meu testemunho. Pode parecer que às vezes ando na lua mas uma coisa podem ter como certa. Nunca me esqueço de vocês, por mais distantes que estejam! »

O comentário ficou maior que o texto mas no problem xD
E para saberem a que texto isto responde só digo uma coisa:
"são vidas, tenho dito"Aqui fica o tópico de hoje.
"Tudo de bom, saúdinha"
[frase muito utilizada ultimamente sabe.se lá por quem e em que ocasiões =P]

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Amar?!

Amar? Para quê? Para por fim me sentir magoada?
Será que já amei? Será que já gostei tanto de alguém ao ponto de deixar de pensar em mim para dedicar os meus pensamentos a outra pessoa? Talvez...
Será que que já dediquei mais tempo a outra pessoa do que a mim própria?
Será que já me preocupei mais com outra pessoa, com o seu bem-estar, com os seus gostos e com a sua vida do que comigo?
Será que já vivi em função de um alguém, tentando fazer com que a vida dessa pessoa fosse um pouco melhor?
Será que já passei noites em claro a fazer planos com um outro ser?
Será que já pensei que não iria conseguir viver se não estivesse com esse alguém?
Será...?
Será isto o amor?!
Esta dependência, esta entrega, esta espécie de obcessão, esta dor intermitente, este sabor amargo, este gosto doce, esta ilusão, esta desilusão?
Será o amor este sentimento que nos eleva às nuvens e no mesmo instante nos faz descer a pique?
Sim...talvez já tenha amado...
Sim...talvez já tenha sofrido...
Não...não quero voltar a amar!
Sim...porque tenho medo...
Não quero saber se é algo de bom que nos faz sentir bem, que nos rejuvenesce, que nos eleva...
Não quero saber se nos faz feliz por uns momentos...não quero! Acho eu...
Para que serve essa felicidade se é efémera?! O sofrimento causado é, em tudo, maior que a felicidade já sentida...não é?
Não quero amar! Não quero apaixonar-me! Não quero sofrer! Porque tenho medo...
Mas como não mando no coração e nos sentimentos...talvez um dia me apaixone...e talvez seja correspondida!

terça-feira, 3 de março de 2009

Realidade...


Hoje de manhã, quando fui apanhar o autocarro, estava alguém na paragem. Alguém que dormia, enrolado nuns cobertores.. Alguém que parecia alheio ao mundo, com meio pacote de bolacha "Maria" a seu lado...Bem diz a música..."Sempre, há sempre alguém que ainda não tem o tanto que temos... Sempre, há sempre alguém num canto do mundo que sonha também..."Fez.me pensar que nunca sabemos o dia de amanhã.. Temos a nossa vida, os nossos amigos, a nossa família...ás vezes, tudo parece perfeito mas, quando menos esperamos, alguém desaparece deixando um vazio no seu lugar.. Um amigo que segue em frente, deixando.nos sózinhos... Algo que acontece e que muda a nossa vida drástica e repentinamente.Há coisas que, por mais que tentê.mos, não podemos controlar. Podemos não querer que aconteçam mas não temos como parar o tempo..Ver aquela pessoa ali, abandonada pelo mundo..dormindo, enquanto outras passavam, indiferentes, fez.me pensar também que um dia eu posso encontrar.me na mesma sintuação ainda que, para isso, não seja necessário viver na rua!