quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Eclipse...

"Os meus braços fecharam-se em redor do seu pescoço e desejei ser mais forte, pelo menos o suficiente para o conseguir manter prisioneiro do meu abraço. Uma mão deslizou pelas minhas costas, pressionando o meu corpo contra a peito de pedra. Mesmo por baixo da camisola, a pele era tão fria que me arrepiou - um arrepio de prazer, de felicidade. Mas em resposta à minha reacção, a pressão das suas mãos começou a diminuir.
Sabia que me restavam certa de três segundos até ele suspirar e se afastar habilmente de mim, dizendo alguma coisa sobre como já tínhamos arriscado a minha vida o suficiente para uma tarde só. Aproveitando ao máximo os derradeiros instantes, aproximei-me mais dele, moldando-me totalmente à sua forma. A ponta da minha língua contornou o lábio inferior dele; era tão suave e perfeito como se tivesse sido polido e o sabor...
Ele afastou os rostos, desviando o meu abraço com facilidade - provavelmente nem se tinha apercebido que eu recorrera a toda a minha força."

Sem comentários:

Enviar um comentário