sábado, 17 de abril de 2010

Não entendo...

Cheguei, a esta terra quase desconhecida. Desamparada... Entrei num mundo novo em que toda a gente já se conhecia e eu era a intrusa. Senti-me (e sinto-me) a mais muitas vezes. Estava afogada pela solidão e havia a saudade que só piorava as coisas. Continuam a acompanhar-me dia após dia..de formas diferentes a cada dia que passa...
Tu apareceste. Tu estiveste lá quando eu mais precisei. Falaste comigo, fizeste com que me sentisse melhor. Permito-me até dizer que cuidaste de mim. Mas tudo começou a mudar...Não sei bem quando nem como. Só sei que a situação está diferente agora. A ligação inicial que houve deixou de existir. A distância que há agora entre nós ultrapassa largamente essa impatia.
Será que a culpa é minha?? Não sei... Mas queria entender.
Eu sei que fiz alguns disparates (que não vou referir aqui). Desculpa, sabes que não foi por mal.
Queria tanto ter a tua amizade de novo, tal como era. Queria muito que o tempo voltasse atrás para poder talvez corrigir algumas coisas. Está a tornar-se tão complicado comunicar contigo. Muito complicado mesmo. Sinto-me mal. Preciso de ti, preciso da tua amizade. É apenas isso que eu quero. Nada mais.
Gostava que entendesses porque tantas vezes te pergunto se aconteceu alguma coisa..porque digo que andas estranho e distante.. É o que sinto e, por mais que me esforce, não consigo mudar isto..não consigo chegar a ti. Decidi então escrever-te. Estou triste e isso é notado por algumas pessoas. Vejo-te todos os dias mas tenho saudades tuas. Imaginas o quanto isto me faz sofrer?
Explica-me o que se passa, por favor.
Não consigo agir como se nada se passasse. Não consigo erguer a cabeça e continuar a minha vida da mesma forma porque não sou forte o suficiente para tal. Não consigo deixar de pensar nisto porque está a transtornar-me e a deixar-me frágil.
Se estou errada em algo que disse peço desde já desculpa e peço-te, também, que me digas onde errei.
Gosto de ti o suficiente para me preocupar contigo e pensar todos os dias no que está a acontecer. Sabes que sou assim.
Enfim...quero-te de volta.
Adoro-te JCRC

domingo, 11 de abril de 2010

Sem resposta para muitas perguntas....

Há coisas que não se explicam... Não porque não se queira, mas porque não há como fazê-lo. Palavras, sorrisos...sentimentos. Para que serve tudo isso? Sim, para quê? Talvez para que sejamos felizes e nos sintamos bem em certos momentos, com determinadas companhias. Ou talvez para nos deixarem em baixo, a desejar estar só.. A desejar esquecer que tudo o que existe à nossa volta é real e não uma miragem. A desejar voltar a ser criança e começar tudo de novo, fazer escolhas diferentes.. A desejar que tudo fosse melhor e que pudéssemos sentir alguma felicidade, nem que se prolongasse apenas por um dia. 24h de felicidade talvez fossem suficientes para acreditar que ela existe e que posso descobrir como lutar para a ter a tempo inteiro.
Enfim... Nem sempre as coisas correm como nós mais ansiamos. Muitas vezes queremos mudar o que está a acontecer mas não nos é possível. Por mais que nos esforcemos não conseguimos apagar os maus acontecimentos ou parar o tempo nos melhores.
Não sei porque me apeteceu escrever isto aqui mas tinha que desabafar de alguma forma...
É assim que tenho que enfrentar a vida. Aguentar o que ainda vem e o que já foi. Por mais difícil que seja... Por mais triste que seja...
Uma vez alguém me disse que nem tudo era um mar de rosas e que eu tinha que aprender isso. Eu sei disso desde sempre mas queria fazer parecer que tudo corria bem, mesmo que assim não fosse. Aos poucos estou a deixar fugir a criança que sempre houve dentro de mim. Isto não está a tornar-me mais forte. Está apenas a tornar-me mais sensível, mais vulnerável...com uma intensa necessidade de ser protegida e de me sentir confortável.
Vou terminar por aqui... Continuarei sempre à espera que algo de bom me aconteça...um dia.